29.10.12

A Razão da Poesia

Poesia/Imagem: Danízio Dornelles
Bate à porta uma sombra de aço,
Parte silêncio e parte rebeldia...
- Qual é teu nome, distinto pedaço?
- Os loucos me chamam apenas poesia...

Compus - rutilante - o pecado da chama,
Ocultei o delírio em treva e neblina;
O fogo consome o peito que exclama,
Meu brilho padece à luz da retina.

Sou aquela que canta em total desalinho,
Lacrimal tempestade vigiando a espera...
Nos sulcos da face eu teço o caminho,

Me faço promessa entre cada espera:
À busca do afago, semblante de ninho...
Ao inerte domínio, instinto de fera...

Nenhum comentário:

Postar um comentário